Geral

As maiores dúvidas sobre o aleitamento | VEJA.com

Amamentação: Exclusividade do leite materno na alimentação de bebês é melhor para o desenvolvimento cerebral deles, diz estudo

Agosto é o mês de campanhas de incentivo, estímulo e orientação ao aleitamento materno. (Thinkstock/VEJA/VEJA)

Agosto é o mês dourado. O mês de campanhas de incentivo, estímulo e orientação ao aleitamento materno. Primeiro alimento do ser humano, instintivo, completo, simples e barato, no entanto, ainda gera inúmeras controvérsias. E quantos tabus. Acabamos de ver recentemente matéria que uma companhia de aviação exige que a mãe amamente bebês em voo somente se cobertas, para não incomodar os outros passageiros! Em pleno desenrolar de campanhas em todo o mundo para que a mãe tenha direito de amamentar em qualquer lugar, sem qualquer constrangimento, sentimos que tudo isto é um retrocesso…

Pega correta, posição adequada… Por quanto tempo o bebê deve mamar? Existe um intervalo certo? São mil dúvidas que devem ser respondidas pelo pediatra até mesmo antes do nascimento do bebê… Por isto, a Sociedade Brasileira de Pediatria está desenvolvendo campanha para a consulta pré-natal com o Pediatra. Estranho? Não, porque o pediatra pode preparar a gestante para uma série de situações que aparecem logo no início da vida e que, às vezes, deixam de ser solucionadas, por uma consulta tardia ao consultório após o parto.

Em relação ao aleitamento, muitas perguntas estão nas cabeças dos pais, e muitas fantasias e questionamentos aparecem. Para todas estas dúvidas, não existe uma resposta padronizada, pois varia muito de criança para criança, de mãe para mãe. Uma resposta que deveria ser instintiva e natural, sofre modificações culturais, de costumes e hábitos. Os medos e as desinformações pululam na sociedade, e também nas redes sociais. De um extremo ao outro – dos cavaleiros do peito armado, que advogam que todos devem e podem mamar sem qualquer problema, aos radicais que decidem que a substituição é mais simples e não incentivam o aleitamento.

Veja também

Quando amamentar?

 Na prática, o bebê mama quando tem fome e isto pode ser sinalizado de diferentes formas, como movimentos de sucção e procura do peito. O choro seria um sinal mais tardio da fome. O que procuramos fazer é que o bebê mame se possível ainda na sala de parto, ou pelo menos seja colocado em contato com peito materno. A quantidade de colostro é variável e pode ser pequena ao nascimento e vai aumentando gradativamente nas primeiras horas. A cor do leite também varia muito, não devendo ser comparado em cor e mesmo em densidade, ao leite de outras espécies.

Quanto ao tempo entre cada mamada, o regime de livre demanda, isto é, o bebê mama quando precisar e quiser, é o ideal. Nas primeiras semanas de vida, usualmente as crianças conseguem manter um intervalo de 2 a 4 horas entre cada mamada. À medida que o tempo passa, o bebê estabelece seu ritmo, com tendência ao espaçamento. No entanto, cada um tem o seu horário.

A duração da mamada não tem relação com quantidade de leite consumido, já que a eficiência da sucção é variável. O ideal é que dure até que o bebê solte espontaneamente o peito. Importante lembrar que a formação de fissuras está diretamente associada à pega e posição inadequadas. É extremamente importante que o pediatra peça para ver a amamentação na consulta inicial ou quando houver dúvida, para orientar a pegada, a posição, avaliar a força da sucção… 

Durante a mamada, a composição do leite é diferenciada. Inicialmente contém mais proteínas e açúcares e ao final o leite é rico em gorduras e vitaminas lipossolúveis, sendo mais calórico. Assim, é importante que seu filho mame o primeiro peito completamente, até que o solte espontaneamente, e só então, o segundo peito é ofertado. Às vezes poderá aceitar, às vezes já estará saciado. A mamada seguinte, portanto, deve começar pela mama mais cheia, ou seja, a que o bebê mamou menos tempo.

Veja também

Até quando amamentar?

A recomendação da maioria das sociedades pediátricas é que o aleitamento materno seja exclusivo até o sexto mês de vida, e mantido pelo tempo que for adequado para o bebê e a mãe. Geralmente a orientação é de que o aleitamento siga até o segundo ano, e algumas crianças podem mamar mais tempo. Ainda temos muito a aprender com nossa população nativa, que amamenta de forma contínua, introduzindo a alimentação não láctea somente quando a mãe percebe que a postura, desenvolvimento e atenção do bebê, permite esta mudança. 

Usualmente amamentam até o provável processo de uma nova gestação (e muitas vezes o próprio bebê já sinaliza que há uma nova gravidez em curso ao abandonar o peito espontaneamente- sentindo uma variação de sabor causada por modificações hormonais no leite da gestante…)

De qualquer forma, a socióloga Margaret Mead escrevia que o tempo do aleitamento é como a duração de um relacionamento. Ele deve ser mantido enquanto adequado aos dois componentes da relação. Quando um não quer, precisamos verificar os motivos e tentar orientar para o sucesso do relacionamento…

 

letra de medico mauro fisberg

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista Adriana Vilarinho, dermatologista Ana Claudia Arantes, geriatra Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista Antônio Frasson, mastologista Arthur Cukiert, neurologista Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião Bernardo Garicochea, oncologista Claudia Cozer Kalil, endocrinologista Claudio Lottenberg, oftalmologista Daniel Magnoni, nutrólogo David Uip, infectologista Edson Borges, especialista em reprodução assistida

Eduardo Rauen, nutrólogo Fernando Maluf, oncologista Freddy Eliaschewitz, endocrinologista Jardis Volpi, dermatologista José Alexandre Crippa, psiquiatra Ludhmila Hajjar, intensivista Luiz Rohde, psiquiatra Luiz Kowalski, oncologista

Marcelo Bendhack, urologista Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista Marianne Pinotti, ginecologista Mauro Fisberg, pediatra Roberto Kalil, cardiologista Ronaldo Laranjeira, psiquiatra Salmo Raskin, geneticista Sergio Podgaec, ginecologista

Mostre mais

Revista Oralmédica

É uma publicação impressa e digital da Clínica Oralmédica e da divisão Viaodonto Franquias©. Assuntos de nutrição, psicologia, odontologia, medicina, beleza, bem-estar entre outros de vida e saúde em geral são os principais enfoques, no entanto não substitui em hipótese alguma a consulta profissional.

Artigos relacionados

Fechar