Geral

Jejum intermitente, emagrecimento e coração | VEJA.com

Saúde – Dieta – Emagrecimento

Jejum intermitente (JI) não é propriamente uma dieta e sim uma forma de distribuir os horários de alimentação (iStock/Getty Images)

Passados os abusos das festas de fim de ano, as férias e o Carnaval, a maioria das pessoas sai em busca de dietas e fórmulas para perder as medidas a mais. Jejum intermitente (JI) não é propriamente uma dieta e sim uma forma de distribuir os horários de alimentação. Em geral, no JI, adota-se a abstinência da alimentação por períodos programados, como por 12 ou mais horas (h), voltando a comer, com ou sem restrições, no restante do período do dia, sendo a relação 16:8 horas a mais utilizada. Há também o jejum total ou quase pleno (<25% da necessidade calórica) por 24 horas, seguido de não restrição no dia seguinte. Nas modalidades de jejum de 24 horas, em geral é adotada a relação 2:5, onde o jejum é feito em 2 dias da semana. Mas há muitas outras variedades de JI.

Riscos e benefícios

As evidências são ainda limitadas, sendo a maioria dos estudos realizados em animais. Mas já há alguns ensaios em humanos, com resultados interessantes. Uma pesquisa experimental brasileira ganhou as mídias ao revelar efeitos negativos no organismo de ratos que ficavam 24 horas em jejum e nas 24 horas seguintes tinham dieta livre.

Apesar de perderem mais peso, os ratos submetidos ao JI apresentaram mais distúrbios metabólicos e inflamatórios, maior tendência ao diabetes, aumento do tamanho do estômago e prejuízos no crescimento. Há de se considerar que a pesquisa foi realizada com animais muito jovens, ainda em fase de crescimento. Além disso, a modalidade adotada de JI de 1:1 dia, foi bem mais radical que o usualmente adotado em humanos, que é, no máximo, de 2 dias na semana.

Veja também

Uma pesquisa americana, contudo, realizada com ratos adultos (de 10 a 18 meses, o que corresponde a 25-45 anos de idade em humanos), revelou que o JI levou a redução do peso e aumento da expectativa de vida em 30%. Além disso, experimentos com camundongos submetidos a JI, revelaram até 40% menor declínio da função cognitiva com a idade. A maior utilização de cetona no JI, parece proteger a integridade da substância branca cerebral dos efeitos do envelhecimento. Há indícios de que o JI promova ainda um aumento de sinapses em neurônios granulares do hipocampo dentado e maior liberação de fator neurotrófico cerebral, auxiliando o aprendizado e a memória.

Pesquisas em humanos

Em três estudos, com 12 horas ou mais de JI, mas inferior a 24 horas, houve perda significativa de peso (em torno de 5 quilos) e da gordura corporal, sem alteração da massa magra. Outros nove ensaios de JI de 24 horas parcial e um estudo de total, em dias alternados, demonstraram reduções ainda mais significativas no peso corporal (maior que 5,0 kg) e massa gorda, sem reações adversas significativas.

E houve benefícios adicionais. Nos estudos, o JI promoveu reduções no colesterol total de 6% a 21%, no LDL de 7% a 32% e, nos triglicerídeos de 16% e 42%. Houve significativa queda na pressão arterial sistólica (3% a 8%) e diastólica (6% a 10%) após 6 a 24 semanas de JI. Em indivíduos com sobrepeso e pré-diabetes, ocorreu melhora da sensibilidade à insulina e redução da glicemia (3% a 6%).

Veja também

Perspectivas para a saúde e perda de peso

O controle de peso constitui um dos mais difíceis desafios da prática clínica. Já está provado que ninguém necessita de seis refeições diárias, como preconizam as dietas clássicas. Reduzir o número de refeições pode ser uma alternativa atraente para muitas pessoas. O JI revela-se como mais uma alternativa a ser considerada em casos selecionados, junto à restrição alimentar, prática de exercícios físicos e uso de fármacos, quando indicado.

Os estudos realizados até o momento só não comprovaram a segurança para o emprego do JI em crianças, adolescentes, diabéticos em uso de medicamentos e pacientes com doenças cardíacas graves, como a insuficiência cardíaca. No mais, o JI pode ser benéfico ao metabolismo, ao cérebro e também ao coração. Na sua modalidade mais comum, que é alimentar-se por 8 horas mantendo o jejum por 16 horas, o JI pode ser um importante e seguro auxiliar de dietas que visam a perda ponderal, principalmente se realizado com acompanhamento médico ou por profissional de saúde.

 

Marcus Malachias

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista Adriana Vilarinho, dermatologista Ana Claudia Arantes, geriatra Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista Antônio Frasson, mastologista Arthur Cukiert, neurologista Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião Bernardo Garicochea, oncologista Claudia Cozer Kalil, endocrinologista Claudio Lottenberg, oftalmologista Daniel Magnoni, nutrólogo David Uip, infectologista Edson Borges, especialista em reprodução assistida

Eduardo Rauen, nutrólogo Fernando Maluf, oncologista Freddy Eliaschewitz, endocrinologista Jardis Volpi, dermatologista José Alexandre Crippa, psiquiatra Ludhmila Hajjar, intensivista Luiz Rohde, psiquiatra Luiz Kowalski, oncologista Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista Marianne Pinotti, ginecologista Mauro Fisberg, pediatra Roberto Kalil, cardiologista Ronaldo Laranjeira, psiquiatra Salmo Raskin, geneticista Sergio Podgaec, ginecologista

Mostre mais

Revista Oralmédica

É uma publicação impressa e digital da Clínica Oralmédica e da divisão Viaodonto Franquias©. Assuntos de nutrição, psicologia, odontologia, medicina, beleza, bem-estar entre outros de vida e saúde em geral são os principais enfoques, no entanto não substitui em hipótese alguma a consulta profissional.

Artigos relacionados

Fechar